É greve porque é grave! Confira motivos para participar da Greve Geral neste dia 14

Publicado: 13/06/2019 às 12:33



 Em apenas cinco meses de mandato, o governo de ultradireita de Bolsonaro só soube desferir ataques aos trabalhadores. Enquanto o país caminha para a recessão, Bolsonaro e Mourão atacam as aposentadorias dos mais pobres, a Educação pública e querem dar fim aos direitos trabalhistas e às liberdades democráticas.

Incentivam a invasão de terras indígenas pelo agronegócio; dão carta branca à destruição do meio ambiente; estimulam a homofobia, o racismo e machismo, agravando a violência contra LGBTs, negros e mulheres.

 O desemprego aumentou e há mais de 60 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho formal.

 Os cortes na Educação, que já enfrentava o caos, foi o estopim na paciência da população, que tomou as ruas. As mobilizações nos dias 15 e 30 de maio tornaram-se um “tsunami”, reunindo milhões de manifestantes.

 

Aposentadoria não se negocia

A Reforma da Previdência vai agravar essa situação, impedindo os trabalhadores de se aposentarem, destruindo direitos previdenciários e aumentando a miséria.

 O povo já se ligou que nessa história de “Nova Previdência” quem vai se dar mal serão os trabalhadores e os mais pobres com o fim das aposentadorias e da Seguridade Social. Os ricos continuarão muito bem, com os empresários dando calote no INSS e os banqueiros lucrando com o regime de capitalização e recebendo o dinheiro da Dívida Pública. A alta cúpula dos militares e juízes manterá seus privilégios. Essa é a verdadeira intenção de Bolsonaro!

 É preciso defender as nossas aposentadorias e direitos previdenciários e, para isso, temos de derrotar essa reforma na íntegra.

 Não há o que negociar nessa reforma! Nenhum dirigente ou entidade está autorizado a negociar nossa aposentadoria. Se alguém fizer isso estará traindo os interesses de nossa classe.

 Consideramos um grave erro o que fez o deputado Paulinho da Força Sindical que propôs negociar a reforma com o governo. Essa política só serve para permitir a retirada dos direitos dos trabalhadores.

 O papel das centrais sindicais e direções das entidades e movimentos é construir a luta até derrotarmos essa reforma por inteiro.

 Neste dia 14 de junho, vamos parar o Brasil! Contra a Reforma da Previdência, em defesa da Educação e por mais empregos!

 Clique na imagem abaixo e veja como a Reforma da Previdência vai acabar com o seu direito à aposentadoria e benefícios do INSS:

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Pesquisar

Seções
Materiais