Confira o quadro da Greve Geral nesta sexta-feira (14) nos estados

Publicado: 13/06/2019 às 12:40



Ao que tudo indica, a Greve Geral desta sexta-feira (14) será forte e ocorrerá em todos os estados do Brasil. Trabalhadores e trabalhadoras vão parar contra a Reforma da Previdência, em defesa da Educação e por empregos. Vão se mobilizar contra os ataques do governo de Jair Bolsonaro e suas medidas que retiram direitos. A resposta será com muita luta e resistência. Confira o que vai parar nos estados e só saia de casa se for para participar de alguma mobilização. Vamos para cima desse governo!

 

 

Com a adesão confirmada de várias categorias de trabalhadores, deverão ser afetados os principais setores da economia do país. Em vários estados, já está confirmada a adesão de trabalhadores dos transportes coletivos, bancários, comerciários, portuários, operários industriais, além de servidores públicos e trabalhadores da educação.

 

Leia:

Com a participação de diversas categorias e setores, Greve Geral vai parar o Brasil nesta sexta-feira (14)

 

A paralisação é convocada por todas as centrais sindicais do país: CUT, Força Sindical, CSP-Conlutas, CTB, CGTB, Nova Central, UGT, CSB e Intersindical.

 

Confira o quadro com paralisações confirmadas e atos pelo país (*)

 

São Paulo

Param metroviários, rodoviários, ferroviários,  trabalhadores dos Correios, eletricitários, metalúrgicos, bancários, servidores do judiciário, da Fundacentro, Funasa, Incra, Ministério da Saúde, funcionários e professores da USP; servidores públicos federais.

Em Campinas, mais de 30 entidades, entre sindicatos e movimentos sociais irão participar. As mobilizações acontecerão tanto no setor de transportes, como serviços públicos, bancos, fábricas e diversos ramos da produção. Em São José dos Campos e Vale do Paraíba, metalúrgicos também vão aderir, assim como condutores, químicos, papeleiros e trabalhadores dos Correios. Em São José do Rio Preto, para a Educação municipal.

 Atos:

Capital: Avenida Paulista, no vão livre do Masp, a partir das 16h. Uma caminhada até a Praça da República está para ser confirmada.

São José dos Campos: Praça Afonso Pena, 11h.

Campinas:  A Concentração se inicia às 10h, com intervenções artísticas no Largo do Rosário contra a reforma da previdência, contra os cortes da educação e por empregos, às 17h, será o ato unitário.

 

 Rio de Janeiro

Categorias já confirmadas: rodoviários, petroleiros, servidores do Colégio Pedro II, servidores da saúde federal e estadual (organizados pelo Sindsprev); professores da rede estadual e municipais (organizados pelo Sepe), bancários. Trabalhadores dos Correios fazem assembleia dia 13 para definir adesão. Trabalhadores do Metrô realizam assembleia dia 13.

 Outras cidades onde também haverá paralisação de categorias Tanguá, Queimados,Rio das Ostras, Niterói, Nova Iguaçu, Angra dos Reis, Cabo Frio, Mesquita, Itaboraí, São Gonçalo, Duque de Caxias, Nova Friburgo, Cachoeiras de Macacu, Itaguaí, Mendes, Eng.° Paulo de Frontin, Petrópolis, Maricá.

 

Atos: Na Capital (RJ), ato concentração às 15h na Candelária, com caminhada para Central.

Haverá manifestações também: na Zona Oeste, concentração a partir da meia-noite na subsede do SinproRio.

Concentração às 5h, no INTO Centro do Rio.

Concentração às 5h da manhã, na porta da CSN em Volta Redonda.

Ato da Frente Ampla Sindical de Angra dos Reis /Estudantes. Concentração na Praça do Papão, às 9h, com ida para o Rio de Janeiro à tarde.

Em Barra do Piraí, ato no Largo da Feira às 9h.

Em Cachoeiras de Macacu, ato na Rodoviária das 9h às 12h.

Às 14h30, caravana para o Rio.

Em Barra Mansa, concentração a partir de 9h na Praça da Matriz.

Em Arraial do Cabo, ato às 9h na Praça do Guarani.

Em Mendes terá Aula Pública às 9h, na Praça Dr. João Nery elaborada pelos professores da rede estadual e às 10h30, ato e passeata no entorno do centro da cidade.

Em Rio das Ostras, ato da greve geral às 10h na Praça José Pereira Câmara no centro.

Ato na Praça do Relógio, Duque de Caxias, às 10h.

Na Praça Rui Barbosa ato às 10h.

Aulas públicas do SinproRio e SEPE na capital de 11h às 13h, no Calçadão de Campo Grande,  Taquara, Saens Peña, Antero de Quental e Largo do Machado.

Em Petrópolis, ato com concentração às 17h na Praça da Inconfidência.

No Sulfluminense, ato às 17h, na Praça Juarez Antunes. Em Niterói, concentração nas barcas às 14h.

Em Itaperuna, 15h30, Pracinha da Rodoviária. Em Campos dos Goytacazes, ato público às 15h, no Pelourinho em frente à Caixa Econômica Centro.

Na Região dos Lagos, concentração 15h na Praça Porto Rocha. Em Macaé, ato no final do calçadão em frente à antiga Câmara Municipal show político cultural.

Em Valença ato às 17h na Rua dos Minérios.

 

Rio Grande do Norte

Aderiram à greve petroleiros, servidores da saúde, Educação, bancários, trabalhadores do Detran, professores e técnico-administrativos da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), professores da UERN (Universidade Estadual do Rio Grande do Norte), rodoviários e ferroviários Natal (RN), servidores do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), municipais de Natal (RN), servidores dos Institutos Federais do estado (organizados pelo Sinasefe), servidores municipais de Caicó (RN), Parnamirim (RN), Açu (RN) e Mossoró (RN).

 Ato: Ato público às 14h contra a Reforma da Previdência, na Avenida Salgado Filho.

 

 Pernambuco

Param petroleiros, trabalhadores da Educação municipal e estadual, metroviários de Recife (PE) e metalúrgicos.

 

 Paraná

Em Maringá (PR) param motoristas, metalúrgicos, petroleiros. Professores estaduais e municipais. Param ainda CMEIs e unidades de saúde, organizados pelo SISFAR e SISMMAR. Os servidores da Universidade Federal do Paraná e servidores públicos federais da Justiça do Trabalho também vão cruzar os braços, petroleiros. As entidades que compõem o Fórum das Entidades Sindicais definiram aderir a greve e organizam a Educação Básica (escolas e colégios estaduais: APP-Sindicato). Instituições Estaduais de Ensino Superior (IEES), Universidades estaduais, entre as quais Assuel (Londrina) Sindiprol/Aduel (Londrina) Sinteemar e Sesduem (Maringá) Sinteoeste e Adunioeste (Cascavel) Sintespo (Ponta Grossa) Sintesu (Guarapuava) Unespar (7 universidades).

 Param também saúde em todo o estado, Meio Ambiente e Agricultura, Segurança Pública, Detran, metalúrgicos, e servidores organizados pelo Sindtest.

 

Bahia

Bancários, metroviários e rodoviários, e universidades estaduais irão parar.

 

 Distrito Federal

Param rodoviários, servidores organizados pela ADUNB, Sindetran DF. Os trabalhadores dos Correios farão assembleia dia 13 para definir adesão.  O Sindicato dos Jornalistas do DF  fará faremos ato na porta da EBC, aderem ainda trabalhadores da Educação particular (Sinpro-DF); servidores federais (Sinasefe – Seção Brasília).

 

 Minas Gerais

Aderem professores da rede estadual, metroviários e rodoviários, petroleiros, bancários, metalúrgicos, gráficos.

 Em Itajubá, param professores, eletricitários, Cobasa, e metalúrgicos da Imbel e Inifei. Também terão atividades com metalúrgicos de Itabira, Congonhas e Mariana.

 Ato: Em Belo Horizonte,  às 14h, na Praça Sete.

 

 Ceará

Param rodoviários, professores das redes municipais e estadual, servidores do estado e do município, técnico-administrativos o IFCE, professores da UFC, professores da UECE, trabalhadores dos Correios, comerciários, bancários, trabalhadores da Construção Civil, judiciários, trabalhadores do Detran do estado, metalúrgicos do Pecém, defesa civil.

 

 Maranhão

Param bancários, professores estaduais, rodoviários, e servidores o Instituto Federal do Maranhão. Campus do IFMA que aderiram greve
Monte Castelo, Maracanã, Timon, Buriticupu, Ze Doca, Santa Inês, Bacabal, São Raimundo das Mangabeiras, Barra do Corda.

 Ato: às 13h, ato público na Praça Deodoro.

 

 Sergipe

Aderem à greve rodoviários, professores rede estadual, docentes e servidores da UFS, petroleiros, trabalhadores dos Correios, servidores das IEFS, servidores de Poço Verde, bancários, comerciários, auditores fiscais, servidores do INSS, Ministério da Saúde e Trabalho, servidores dos institutos federais, petroleiros.

 

 Pará

Servidores da rede Federal, construção civil, professores da rede estadual e municipais, petroleiros, bancários, portuários, rodoviários.

 

 Santa Catarina

Param servidores da saúde, trabalhadores da Educação, bancários, petroleiros polícia rodoviária Federal, professores e técnicos do IFSC, professores e técnicos da UDESC, municiparios de Florianópolis, municiparios de São José, municiparios de Palhoça, trabalhadores organizados pelos sindicatos ASSIBG, Andes-SN, Sindprevs, servidores públicos organizados pelo SINTRAFESC, eletricitários, policiais civis, trabalhadores de água e esgoto, técnicos da Universidade Federal, trabalhadores do serviço Público Estadual de Santa Catarina, judiciários do estado.

 

 Rio Grande do Sul

Metroviários e professores das redes municipais e estadual.

 

 Piauí

Param bancários, professores da Educação estadual e municipal, metroviários, universidades federal e estadual, urbanitários da Chesf, fazendários estaduais, Instituto Federal, rodoviários vão sair das garagens e parar no centro, policiais civis, policiais rodoviários federais.

 Ato: unificado às 8h, no INSS, em Teresina.

 

 Espírito Santo

Param setores da educação Federal, Ifes e Ufes,  municipais de Vitória (ES). Organizados pelo  Sinasefe Ifes (Docentes e TAEs do IFES), Adufes (Docentes da UFES), Sintufes (Técnicos da UFES) e Sindsmuvi (Municipais de Vitória), Sindiupes (Professores municipais e estaduais da rede pública), bancários também vão aderir. Há  expectativa de paralisação de portuários e rodoviários,  bem como de trabalhadores do campo que vão realizar atos regionais.

 Ato: Em frente à Findes, na Av. Reta da Penha em Vitória, às 13h.

 

Tocantins

 Param rede municipais e estadual. UFT (Universidade Federal do Tocantins), IFTO (Instituto Federal do Tocantins), além de alguns setores da saúde.

 

Mato Grosso

No município de Snop e em toda a região de Mato Grosso estão mobilizadas as categorias organizadas pelas entidades  Abeef (Associação Brasileira de Estudantes de Engenharia Florestal); Adufmat (Associação dos Docentes da UFMT;  Adunemat (Associação dos Docentes da UNEMAT);  AECAZ (Associação de Educação e Cultura Agroecológica Zumbis);  Cineclube Zumbis; DCE (Diretório Central dos Estudantes) da UFMT;  FEAB (Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil);  LPJ (Levante Popular da Juventude);  MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens); MST (Movimento dos Sem Terra);  Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação);  Sintep (Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público);  Sintesmat (Sindicato dos Trabalhadores da Educação Superior do Estado de Mato Grosso);  Sintuf (Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Educação da UFMT).

 

(*) Quadro em atualização. Envie informações sobre a programação de sua categoria e região para: imprensa@cspconlutas.org.br

 

 

 


Pesquisar

Seções
Materiais